Um grupo de investigadores da Universidade de Queen´s em Belfast, Irlanda do Norte, coordenado por Nimal Gunaratne, publicaram em Abril um estudo científico* em que desenvolveram um sistema de libertação controlada de perfume que é activada por água. Assim quanto mais se transpira, melhor se cheira pois um aroma é libertado em contacto com a humidade.
Numa primeira fase é feita uma síntese química em que se cria a ligação química entre a molécula fragrante e um sal líquido. Este conjunto não tem odor uma vez que o sal não é volátil. Numa segunda fase, a molécula fragrante liberta-se quando entra em contacto com a água, que quebra a ligação química, sentindo-se então o seu aroma.
Este processo tem a vantagem adicional de remover os compostos de tiol responsáveis pelo mau odor do suor, que ficam agarrados aos sais e são assim neutralizados.
Estudos da cinética da reação química mostraram que a velocidade de libertação do aroma aumenta com o aumento da quantidade de água presente na mistura. Verifica-se também que a perda de fragrância por reações secundárias é mínima, tratando-se de uma libertação controlada do aroma limpa e praticamente quantitativa.
Esta descoberta tem um enorme potencial comercial para o desenvolvimento de produtos inovadores no sector gigantesco dos produtos de cuidado pessoal e beleza. É um bom exemplo de investigação científica aplicada que pode dar um fantástico contributo para o bem-estar das pessoas.
reação suor perfume

*H. Q. Nimal Gunaratne, Peter Nockemann and Kenneth R. Seddon, Chem. Commun, 2015, 51, 4455-4457

Deixe uma resposta

Close Menu